Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Educação é uma área sensível, ouvi eu já não sei a quem. Todos sabemos que a Escola Pública representa a Democracia, representa o acesso à educação universal e igualitária.

Quando hoje os professores caminharem uma vez mais nessa peregrinação pela defesa da dignidade do seu trabalho, já desvirtuado pelo anterior governo (menorização da sua função principal, a pedagógica) e objecto de destruição final por este governo (a precariedade total para ficar nas mãos de arbitrariedades e conveniências do poder), é pela defesa da Democracia.

 

 

O governo, ao não acatar e respeitar a decisão do Colégio Arbitral de adiar o Exame para dia 20, enviou vários sinais que deveriam soar como sinais de alrme para os cidadãos em geral:

- o governo coloca-se já claramente acima da lei (reparem que isto foi verbalizado: o governo vai criar uma nova lei);

- o governo escolheu esta altura do ano lectivo para testar a sua prepotência numa área sensível porque envolve um universo considerável (professores, alunos, pais, famílias), porque os professores representam um grupo qualificado e um espaço de observação, análise e reflexão (capacidades próprias de uma Democracia e de uma intervenção cívica) e porque a Escola Pública representa a Democracia (o acesso universal e igualitário a uma educação de qualidade);

- assim, vergando este espaço de alguma liberdade de pensamento e de consciência cívica, estão convencidos que vergarão todos os cidadãos quando lhes apresentarem a última factura em Outubro (que, pelo que já vimos da troika de agiotas internacionais a quem abriram as portas do país, nunca será a última);

- para vergar este grupo qualificado tratou-se de colocar a opinião pública contra os professores com o apoio da Comunicação Social;

- enquanto os professores estiverem na mira dos jornalistas e dos restantes cidadãos, ninguém se questionará sobre o essencial

 

 

E o essencial é:

 

1) Como é que o governo se sobrepõe à lei?

Começou por questionar a decisão do Tribunal Constitucional, embora se tenha servido oportunisticamente e de forma indevida dessa decisão para impor cortes mal explicados, arbitrários e desequilibrados.

Agora vemos que o governo nem sequer respeitou a decisão do Tribunal Constitucional ao não pagar, como era de lei, os subsídios de férias em Junho (funcionários públicos) e Julho (pensionistas).

Portanto, fica-se com a impressão que este governo nunca teve intenção de respeitar a decisão do Tribunal Constitucional, e este, meus caros Viajantes que por aqui passam, é que é o perigoso precedente.

Quando agora ouvimos o ministro da Educação e o secretário de Estado falar em perigoso precedente (!), percebemos que essa é uma forma de desviar a atenção do essencial: perigoso precedente é não respeitar a decisão do Tribunal Constitucional e a lei geral, é não respeitar a decisão de um tribunal arbitral, em suma, um perigoso precedente é precisamente o governo não respeitar a lei.

 

2) Porque é que o governo não respeita a lei?

No Relatório do FMI vem lá uma pequena referência às leis do país: os cortes é para manter e de forma mais acelerada, mesmo que colidam com as leis do país. É por isso mesmo que acrescentam cinicamente que o governo terá algumas dificuldades em avançar com as reformas (?) e que poderá surgir instabilidade política e social (!?) além de se prever o agravamento da recessão. Estes agiotas já tinham assumido os erros no caso da Grécia, mas querem fazer aqui o mesmo.

Para preparar esse processo de limpeza nos serviços públicos, o governo está já em pleno teste de resistência à sua prepotência e com o grupo perfeito para o efeito: os professores são um grupo qualificado, talvez o grupo mais numeroso de cidadãos qualificados e preparados para uma intervenção cívica numa sociedade democrática.

Enquanto que com os reformados, o grupo era mais heterogéneo e muito mais vulnerável (idade, não está no activo, a maioria tem pensões baixas), e o teste foi uma limpeza rápida e sem grandes alaridos, tratou-se apenas de os ouvir desabafar no Prós e Contras e chamar lá um técnico qualquer a falar da sustentabilidade da Segurança Social (?), com o grupo dos professores o teste vai dar um pouco mais de trabalho.

Para já, os professores conhecem a lei, estão preparados para analisar e reflectir e sabem exactamente o que está aqui em causa.

Hoje estão em caminhada por uma causa que o governo espera perdida: a da Democracia, a dos direitos mais básicos da dignidade e valorização do seu trabalho e do direito dos cidadãos ao acesso a uma educação de qualidade universal e igualitária.

Ao não acatar a decisão do Colégio Arbitral, o governo escolheu-os deliberadamente como um teste aos cidadãos no seu todo: vergando este grupo, conseguimos provar que somos nós que mandamos, nós que ditamos a lei, não é um qualquer tribunal.

Ao não respeitar a lei, e esse repito, é que é o precedente perigoso, o governo pode continuar a não respeitar a lei porque, tal como é indicado claramente pelo relatório do FMI, os cortes necessários podem vir a colidir com as leis do país.

Assim, ficamos a saber que o governo escondeu aos cidadãos a verdade, que continua a mentir na Assembleia da República, que não respeita a lei, que não respeita compromissos nem contratos com os cidadãos para obedecer às determinações da troika de agiotas e ao Negócio da Dívida: vender o país nos saldos, os seus recursos humanos, os seus recursos naturais e os seus recursos estratégicos. O desemprego elevado permite a desvalorização do valor trabalho, a precariedade torna os cidadãos mais dóceis e obedientes, a democracia é um luxo (Grécia). Entretanto, os grandes negócios prosperam e a finança é sempre protegida, mesmo que os depósitos não o sejam (Chipre).

É isto que está em causa.

 

3) Como é que os professores podem defender a Escola Pública e a qualidade da educação numa sociedade democrática?

Defendendo a lei e o seu cumprimento, as regras de uma Democracia.

A sua caminhada já não representa apenas os professores, a Escola Pública e a qualidade da educação, a sua caminhada representa a Democracia, a lei, o respeito pela lei, a igualdade perante a lei, a dignidade e a valorização do trabalho.

Tal como na Grécia, em que os jornalistas se mantêm na televisão pública a emitir pela internet e já corre uma Petição em sua defesa, pois defendem muito mais do que apenas a televisão pública, tornaram-se já num símbolo nacional da Democracia (e interessante é verificar que, tal como os gregos, só sentimos a falta de um serviço público quando o perdemos), também os professores foram colocados nessa caminhada como um teste de resistência aos cidadãos do país na sua aceitação a cortes drásticos que aí vêm após as eleições autárquicas (e agora entendemos porque foram antecipadas para Setembro), mesmo que colidam com as leis do país (!), que sejam de difícil implementação por falta de condições políticas e sociais (!!) e que aumentem a recessão (!!!), tal como vem inscrito no Relatório do FMI.

É isto que a caminhada dos professores representa: a lei, o respeito pela lei, a Democracia. O respeito pelos compromissos com os cidadãos. O respeito pela verdade que não se diz aos cidadãos.

A sua caminhada é, de certo modo, a prova de vida da Democracia antes de ser abafada pelas exigências da troika de agiotas internacionais que se especializaram na apropriação indevida de recursos dos países vulneráveis, colocando-os, com a ajuda preciosa e o voluntarismo de governos e de políticos que não adquiriram uma cultura democrática, à mercê de interesses obscuros de grandes grupos económicos e financeiros.

 

 

Preocupante: mas vejam como não é apenas o governo híbrido do PSD-CDS a revelar falta de cultura democrática e da noção da importância dos professores e da Escola Pública na preparação dos alunos para uma intervenção e participação cívicas, também o representante do PS (e muito provavelmente próximo PM) não consegue posicionar-se quanto ao respeito pela lei do país, pela Escola Pública, pelo que se quer fazer na área sensível (porque fundamental) da Educação.

 

 

 

Anexo 1: os assessores do representante do PS (e já percebemos que alguns deles utilizam os neurónios e revelam profissionalismo, esperemos é que não seja apenas inteligência e profissionalismo, mas cultura democrática também), devem tê-lo aconselhado a posicionar-se de forma clara relativamente ao impasse actual: Seguro atribui a responsabilidade da situação ao governo que não revelou o tal bom senso com esta insistência em manter a data do Exame para dia 17 não aceitando a abertura dos professores para nova data a 20.

 

 

Anexo 2: relativamente à cobertura da Comunicação Social à caminhada dos professores, para já é mais visível na RTP, a televisão pública... A caminhada propriamente dita está ser acompanhada pela TVI24... A cobertura passou a ser feita em pleno pelos canais RTPN, TVI 24 e a SICN.

Provavelmente esta adesão em massa dos professores de todo o país não era esperada, mas a intimidação do ministro e do governo acabou por reforçar a sua mobilização e união. 

 

 

Anexo 3: cada vez mais me convenço (é intuição apenas) que Crato e o ministério da Educação foram ultrapassados nesta questão que já não é entre ministério da Educação-professores, é entre governo-Escola Pública e professores (que aqui representam os serviços públicos no seu conjunto).

Se transportarmos isto para uma imagem: Crato e o ministério da Educação também já estão na mira da catapulta que o governo e a troika estão a preparar para lançar sobre os serviços públicos (educação, saúde, segurança social). Os professores aparecem aqui como a peça que impede a roldana de lançar os projécteis da demolição fatal.

Para o governo foi fácil vergar os reformados, com este grupo vai ser mais difícil. Este é o teste de resistência.

Aproximano-nos da Grécia a passos largos, mas isso alguns de nós já sabiam. Afinal, o bom aluno da troika vale tanto como o aluno rebelde grego. A ironia é que temos sido apresentados como o bom exemplo...

 

...

 

Anexo 4: No dia seguinte à caminhada dos professores, fico a saber que Marques Mendes tinha dito no seu comentário semanal que os professores deviam dirigir-se às instituições internacionais em Bruxelas (CE e BCE) e em Washington (FMI). E eu a pensar que o FMI era na Wall Street em Nova Iorque... Mas não bastará enviar os vídeos da caminhada dos professores a essas instituições e traduzir-lhes os cartazes para inglês?

 

 

Anexo 5: Ainda existe um preconceito relativamente à preparação da Turquia para se integrar na Europa. Pegando precisamente no conflito actual do Parque Gezi, a iniciativa dos cidadãos de defender um espaço público é um sinal da vitalidade da democracia. Mais preocupante é a tendência do poder, neste caso do primeiro-ministro, se tornar prepotente. Dá sempre mau resultado.

Se fizermos um paralelismo com a violência urbana de tipo mais caótico, de vandalismo sem um propósito cívico, como a que surgiu em França há alguns anos e em Inglaterra há quase dois, chegaremos a uma conclusão surpreendente: em Istambul (o movimento é já mais abrangente) vemos uma maturidade democrática em acção, há um propósito cívico fortemente simbólico, um exemplo até para a nossa democracia debilitada: resgatar o espaço público é resgatar a democracia, é partipação cívica, é consciência de um colectivo.

 

 

 

 

publicado às 11:06

O que é que nos esconderam? O que é que vai acontecer em Outubro?

por Ana Gabriela A. S. Fernandes, em 14.06.13

A partir daqui os buracos no puzzle precisam de ser preenchidos com respostas às seguintes perguntas:

 

- Porque é que andam tão nervosos (à excepção dos que apenas transpiram ódio e desprezo pelas populações)?

- Porque é que revelaram tanta pressa na marcação das autárquicas para Setembro?

- O que é que nos esconderam?

- O que é que vai acontecer em Outubro?

 

Hipóteses:

 

a) as medidas para o crescimento foram apenas uma manobra de diversão (recordo aqui a importância dada ao assunto pelo ministro Gaspar quando encenou o número circense a culpa é da chuva e os anúncios do ministro Álvaro sabendo que estavam condenadas à partida);

b) o governo escondeu os compromissos assumidos com a troika e os cortes serão muito mais drásticos: olhemos para a Grécia onde a economia, os serviços públicos (incluindo a televisão pública) já foram destruídos e pensemos de novo na saúde, na escola pública (e quem sabe na RTP), agora que se estão a vender à pressa e de forma irregular as jóias da coroa e os recursos naturais e estratégicos;

c) os partidos que compõem o governo híbrido não querem ser muito penalizados nas autárquicas;

d) o governo quer sair de cena antes do último suspiro da economia e dos serviços públicos mas depois de nos vender (trabalho e recursos naturais e estratégicos) nos saldos, mas atribuindo a culpa à troika e ao Tribunal Constitucional;

e) as eleições na Alemanha podem mudar a conjuntura europeia, decidindo sair do euro ou exigindo apertar mais o garrote;

g) a implosão da UE;

h) ...

 

 

 

 

publicado às 12:39

Confirma-se que alguma coisa de muito errado está a acontecer na orientação e intervenção da troika no país, de braço dado com o governo híbrido. Mas não é apenas ao nível das instituições internacionais, é cá dentro também. Do nível macro ao micro a desorientação é total.

Alguns factos que se juntam para nos inquietar:

- o Presidente critica a CE e sugere que o FMI saia da troika, mas refere-se às condições de manutenção do governo como existindo coesão social no país;

- o FMI contradiz-se a toda a hora, um relatório assume erros de previsão (?) relativamente à Grécia, mas no papelinho que o governo assinou sem dizer nada ao país a orientação é no sentido de acelerar os cortes dos tais 4 mil milhões (!) apesar de serem de difícil implementação, criarem instabilidade política e social e poderem vir a colidir com as leis do país (!!) além de agravarem a recessão e nos afastarem do acesso aos mercados (!!!) O elemento do FMI na troika que nos visita reagiu com nervosismo e irritação a duas questões: a opinião do Presidente para que o FMI saia da troika e as semelhanças com a situação da Grécia (!?);

- a CE promete criar programas de apoio às pequenas e médias empresas (se ainda existirem algumas depois destes cortes todos), com a ajuda de investimento alemão;

- na venda das jóias da coroa o processo dos CTT surge-nos como mais do que irregular;

- o governo decidiu adiar o pagamento do subsídio de férias para Novembro (de repente não há dinheiro disponível);

- o governo apressa para Setembro a data das eleições autárquicas (para controlar os danos pois talvez não sobreviva a Outubro ou Novembro);

- o ministro da Educação resolve entrar em rota de colisão com os professores e com a Escola Pública, revelando um discurso e comportamento próprios do tempo do Estado Novo;

- um cidadão português é multado por desabafar numa rua de Elvas quando passa o Presidente: Vai mas é trabalhar... estou a ser roubado todos os dias, o que gerou um movimento solidário que quer dar uma ajuda no pagamento da dita: 1.300 euros, se bem percebi.

 

A quem pode recorrer a sociedade civil nestes tempos de grande confusão geral?

O Presidente vive num mundo paralelo em que há coesão social e não gosta de desabafos dos cidadãos;

A Assembleia da República também não gosta de desabafos e os cidadãos não têm lá um representante directo;

O Provedor de Justiça não deve ter mãos a medir;

O Procurador Geral da República não tem meios nem tem como prioridade fiscalizar o que o governo anda a fazer;

O Tribunal de Contas só dá pareceres e produz relatórios;

A Comunicação Social só reproduz as notícias que lhe dão já preparadas, não investiga, não analisa, não reflecte.

 

A sociedade civil tem de estar mais atenta e vigilante para se poder defender deste desvario total em que todos lhe escondem a realidade, a verdade, os factos, as prioridades do governo, a sua agenda, os verdadeiros compromissos com a troika, os negócios escondidos, as excepções, etc.

 

 

É muito triste ver as Notícias hoje em dia e ter de juntar as peças de um puzzle que é muito pior do que aquele que nos revelam. O puzzle ainda vai a meio, ainda tem buracos por preencher, mas já se vêem alguns padrões:

 

1) o governo sabe que não irá sobreviver ao desastre económico que se anuncia, às confirmações das piores previsões e de uma recessão muito mais profunda e prolongada, e quer evitar ficar penalizado nas autárquicas (impossível) e ainda quer mais, sair de cena com a imagem de patriota e de ter servido o país;

 

2 ) o governo colocou-nos a caminhar no sentido da Grécia, de braço dado com a troika, apesar de nos querer colar à Irlanda e de nos iludir com o acesso aos mercados e a saída da troika em 2014;

 

3) a agenda hoje é clara: desvalorização do valor do trabalho, economia ao serviço da finança e dos grandes grupos económicos, opacidade e desinformação em relação aos grandes negócios do Estado, desmantelar os serviços públicos, manter o conformismo dos cidadãos através do medo e da intimidação.

 

 

Fala-se na crise do regime e no envolvimento dos partidos políticos, da Assembleia da República e as incompatibilidades éticas e profissionais, dos interesses dos grupos de influência, etc., mas nada se faz.

Os cidadãos não confiam nos políticos em geral.

Entrámos no impasse da alternância, tal como o Rotativismo no séc. XIX.

 

Como é que a sociedade civil pode intervir de forma construtiva se não tem mecanismos a não ser protestos de rua (e os inorgânicos são os que têm mais impacto), as Petições, as greves (para os activos, porque os inactivos e os reformados nem esse recurso têm), e pouco mais.

Os cidadãos só têm visibilidade e importância para os políticos em campanha eleitoral. Só nesses momentos precisam do voto dos eleitores. Depois viram-lhes as costas e fazem o que sempre fizeram: tratar da sua vidinha. 

As eleições são talvez os únicos momentos em que os cidadãos têm algum poder relativo. Seria bom reflectir nisto.

 

 

Hoje é dia de Santo António. Desde criança que o associo a causas perdidas e a milagres, numa oração muito antiga, o Responso a Santo António, em que resgata a vida, a saúde, aos mancebos e aos velhos... Necessidades e perigos faz cessar entre os humanos, diga quem o experimentou mormente os paduanosSempre gostei desta figura que junta a cultura à simplicidade, a comunicação à inspiração divina.

A nossa salvação reside na nossa própria consciência e na consciência colectiva, na cultura da colaboração, no respeito por nós próprios e pelos outros, na dignidade e no valor intrínseco de cada indivíduo. É essa a mensagem que me fica dessa figura inspiradora de Santo António.

 

 

 

publicado às 21:08

2013 nacional: "vai formoso e não seguro"

por Ana Gabriela A. S. Fernandes, em 24.01.13

A política nacional segue o guião esgotado das velhas estratégias do poder: uma personagem é utilizada num determinado período de tempo suficiente para se esquecerem falhanços e impopularidades recentes, mas para ser apeada na altura certa. Claro que a personagem, pensavam os seus adversários, não reunia as qualidades para se tornar consistente e credível, o que jogaria a seu favor. Na hora certa ninguém duvidaria que o grande grupo lhe voltaria as costas com a mesma pressa com que o apoiou.

 

Mas a vida tem destas surpresas: a personagem aguentou-se bem no seu papel, e o que disse até aqui veio a confirmar-se fazer algum sentido. A sua colagem à posição de Hollande, muito criticada e até ridicularizada de forma sistemática, verificou-se correcta: a posição de Hollande acabou por pesar nos subsequentes discursos oficiais europeus e antecipou-se a preparações apressadas de estratégias para o crescimento da economia.

No caminho seguro da personagem entrou o papel de conselheiros experientes e a personagem revelou a humildade suficiente para os ouvir, sinal de alguma inteligência prática. Adquiriu consistência e credibilidade, bases de uma confiança necessária para obter bons resultados eleitorais. E a sua postura quase cândida e isenta de arrogância ligou bem com a actual situação nacional.

Agora querem apeá-la porque as sondagens lhe são favoráveis e as autárquicas prometem.

 

É aqui que, nesta curta-metragem, o realizador sensato exclama: Corta!

Como é lá isso? Que lógica é a desse guião? Querem ganhar as autárquicas ou não? 

O guionista engole em seco: Querem mas não querem jogar pelo seguro... querem arriscar uma batalhazinha entre vários candidatos mas é só para inglês ver, é para colocar lá outra personagem, como aquelas roletas viciadas... está a ver?

O realizador recusa esse final no guião: Isso é muito déjà vu, até chateia. Deixa-se em suspense...

E a curta-metragem ficou célebre pelo título camoniano aplicado ao novo ano nacional: vai formoso e não seguro...

 

Formoso, claro está, porque no discurso oficial está tudo bem, fomos aos mercados (?), já escapámos da bancarrota (??), somos mais parecidos com os irlandeses do que com os gregos (???), e valeu mesmo a pena sermos bons alunos (!)

 

 

 

publicado às 22:40


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D